José Eduardo Pinto da Costa

José Eduardo Pinto da Costa

O Instituto CRIAP entra numa nova fase da sua vida, no cumprimento de novas exigências de qualidade que decorre da adoçao da estratégia, das normas e das recomendações da EUA – European University Association, essenciais para enfrentarmos com otimismo e determinação os desafios que se avizinham. Como venho afirmando, confio no Instituto CRIAP para vencer esses desafios.

Somos o mais jovem Instituto especializado na área da Saúde Mental e orgulhamo-nos de ser o maior não estatal, em número de alunos, programas científicos e docentes doutorados. No Instituto CRIAP, os recursos humanos são a essência da sua qualidade, no que respeita ao ensino, após uma fase de expansão física e de aumento do número de docentes doutorados, o Instituto CRIAP está agora apto para enfrentar um mundo cada vez mais global e competitivo.

Uma parte essencial dos recursos humanos do CRIAP é constituída pelos nossos alunos.

É preciso que eles sintam que a missão do Instituto passa, em larga medida, por lhes proporcionar uma formação global, que os dote de competências científicas e técnicas, sociais e relacionais, desenvolvendo o seu sentido de cidadania, preparando-os para um mundo e um mercado de trabalho sem fronteiras.

Numa época em que o mercado de trabalho tem dificuldade em absorver todos os graduados, quando o desemprego e essencialmente o subemprego começam a ser realidades cada vez mais prementes, o CRIAP responde a estes problemas com uma estratégia de qualidade que visa tornar os seus graduados mais competitivos, mais apetrechados para o mundo do trabalho. Para tal conta, com um corpo docente com elevada experiência, competência e motivação para implementar estas mudanças e acompanhar os alunos no seu processo de aprendizagem.

Somos, provavelmente, um dos institutos nacionais que mais tem pugnado pelo seguimento da implementação da reforma de Bolonha por considerarmos a urgência de mudança de paradigmas, e a necessidade do desenvolvimento de maior incidência de prática clínica no ensino.

Por isso, estivemos na primeira linha da adequação do Instituto a essa reforma, do ponto de vista da organização curricular, espacial e funcional.

A European University Association recomenda que as entidades desenvolvam um ensino por objetivos e tutorialmente acompanhado, entendendo-os como elementos distintivos da orientação pedagógica.
É estratégico para o Instituto CRIAP promover o aprofundamento do ensino centrado no aluno, baseado na aprendizagem por objetivos, orientar e apoiar o seu alargamento progressivo a mais áreas do saber. Ao Instituto CRIAP cabe a promoção de uma cultura de qualidade, de direitos e deveres, em que todos estejam conscientes do contributo que devem dar e dos benefícios que devem receber, enquanto membros desta grande casa, que é o Instituto CRIAP. Penso que só uma cultura baseada nestes princípios pode alicerçar, de forma sólida, o futuro da nossa instituição. A todos os estudantes do CRIAP, atuais e futuros, formulo votos dos maiores sucessos no seu processo de aquisição de conhecimentos.

O Diretor Científico
José Eduardo Pinto da Costa