Mitos e Verdades na Dislexia

Os mitos que ainda persistem

A dislexia é preguiça
Dislexia não sinónimo de preguiça. Um estudo, realizado na Universidade de Washington revelou que as crianças disléxicas utilizam uma área cerebral cerca de cinco vezes maior que as crianças sem dislexia ao realizar uma tarefa relacionada com a linguagem. O cérebro de um disléxico esforça-se bastante, longe de ser considerado preguiçoso.

Dislexia está relacionada com o QI.
Isto significa que uma criança pode ter um elevado QI e ser disléxica, pode ter um QI médio e ser disléxica e pode ter um baixo QI e ser disléxica. Muitas pessoas com dislexia são bastante inteligentes e alcançam grandes objectivos.

Pessoas com dislexia vêm as coisas ao contrário
Pessoas com dislexia não vêm as coisas ao contrário, fazem-no precisamente da mesma forma que qualquer pessoa sem dificuldades de aprendizagem. Dislexia não é causada por um problema de visão. É verdade que confundem b’s e d’s e confundem no e nu, mas apenas por causa da confusão esquerda-direita e da dificuldade com a fonética.

A dislexia passa com o tempo
A dislexia é uma das características de determinada pessoa, é constitucional o que significa que acompanhará em toda a sua vida. É necessário encontrar  mecanismos e estratégias para lidar com a dislexia ao longo da vida.

Afinal o que é a Dislexia?

Dislexia = Dis (dificuldade; separação) + lexia (lexico; palavra) = Dificuldade com as palavras

A Dislexia é uma perturbação da aprendizagem da leitura apesar de uma inteligência normal e ausência de perturbações sensoriais ou neurológicas.

 


Quais as características?

As crianças com Dislexia revelam significativas dificuldades na aprendizagem e desenvolvimento do mecanismo da leitura e escrita. Apresentam uma leitura pouco fluente, com diversas alterações e trocas específicas (dificuldades na leitura de palavras regulares, irregulares e pseudopalavras; défices na via fonológica e na via lexical) e dificuldades na compreensão da leitura. Na escrita surgem muitos erros ortográficos, a composição de textos é confusa em termos de organização, pouca diversidade no vocabulário utilizado, podendo apresentar uma grafia irregular.

Avaliação e Intervenção

A avaliação e intervenção na Dislexia deve ocorrer o mais precocemente possível (idealmente durante o 1º Ciclo do Ensino Básico) e ser efetuada por profissionais especializados nesta área. Uma intervenção terapêutica atempada permite minimizar muitas das dificuldades decorrentes da Dislexia. Em algumas situações existe a necessidade da aplicação de medidas educativas especiais no contexto escolar ao abrigo do Decreto-Lei n.º 3/2008 (CSMP,2015)

No Instituto CRIAP dispomos de formações de Intervenção em Dislexia tais como:
Pós-Graduação em Dislexia e Outras Perturbações Neurodesenvolvimentais
Curso Prático de Avaliação e Intervenção Neuropsicológica nas Necessidades Educativas Especiais
Pós-Graduação em Neuropsicologia Pediátrica

Considerações Finais 

A dislexia afeta atualmente uma em cada 20 crianças em idade escolar e pode ser uma síndrome para toda a vida, contudo o diagnóstico atempado e o acompanhamento especializado reduzem os seus impactos negativos na vida dos cidadãos (UTAD, 2015).

Segundo Ana Paula Vale, a dislexia é um problema que os especialistas podem detetar e avaliar relativamente cedo, calculando o risco mesmo antes de a criança começar a ler e a escrever, e é imperioso que o façam, porquanto, sendo crianças com inteligência normal que aprendem matemática e outras matérias escolares, muitas vezes os seus problemas com a dislexia estão mascarados e estas crianças vão ficando para trás sem se perceber muito bem porquê.
Não tendo bons desempenhos escolares e acabam, muitas delas, por desistir precocemente do ensino, percebe-se mais tarde que estes indivíduos são também aqueles que têm trabalhos menos qualificados na sociedade. Viver com dislexia não se trata, afinal, apenas de ter uma dificuldade de aprendizagem da leitura, mas de um problema que arrasta consigo uma quantidade de dificuldades que têm um impacto negativo em todas as aprendizagens e nas relações sociais. (UTAD, 2015).

Fonte:
http://educamais.com/mitos-da-dislexia/
http://goo.gl/mHtWJQ
http://goo.gl/Bkbah3

Até para a semana.
A equipa que cria,
CRIAP