A Carregar...
Por favor aguarde...

Euro2016: A ameaça terrorista e os alvos fáceis

23 JUN 2016

A segurança é sempre vista como sendo demasiada, até ao dia em que não é suficiente.

 

Conheça a crónica do formador do Instituto CRIAP, Dr. Orlando Mascarenhas, publicada na revista Visão no passado dia 16 de junho.

 

Com início neste mês de junho, o EURO 2016 em futebol centra todas as atenções em França. Sendo impossível de esquecer os recentes ataques terroristas ocorridos na Bélgica e em França, o governo francês promete implementar um forte dispositivo de mecanismos de segurança durante a realização desta competição desportiva a fim de “fazer todo o possível para evitar ataques terroristas”.

 

Imagem Blog: 5a8e9e008144b-910x607.jpg

 

Pegando nas palavras de um ex-diretor do FBI (Federal Bureau of Investigation) – “A segurança é sempre vista como sendo demasiada, até ao dia em que não é suficiente”, pretendo com a crónica de hoje percorrer alguns pontos do que se tem efetuado no seio da União Europeia em matéria de segurança contra o terrorismo e realçar a ameaça terrorista contemporânea sobre aquilo que se designa por “Soft Targets” ou “alvos fáceis”.

São conhecidas as dificuldades e obstáculos existentes na União Europeia para se estabelecer uma rede de segurança unificada. Os 28 estados membros possuem diferentes prioridades, recursos e níveis de especialização no que concerne ao combate à criminalidade transnacional e ao terrorismo. Países como a França, Reino Unido e Alemanha, possuem uma significativa experiência no contra terrorismo e suficientes recursos humanos e materiais para manter as suas agências de “informações” e antiterroristas. Esta é uma realidade que não se coloca para aqueles países com menos especialização e orçamentos reduzidos. Muito menos durante este longo período de crise económica, onde os governos têm tido necessidade de ponderar o financiamento do aparato securitário contra o controlo dos défices orçamentais.

 

Em simultâneo com estas questões orçamentais, os estados membros lidam com um ambiente onde as pessoas de deslocam livremente entre os países, enquanto as “informações” governamentais não o fazem, tal como o ministro do interior da Alemanha referiu após os ataques de novembro de 2015 em Paris em que admitiu que os governos dos estados membros não querem partilhar todas as suas “informações” com os seus pares e reforçando que a União Europeia e os diferentes governos de cada país possuem diferentes e separadas bases de dados de “informações” que não se encontram interligadas.

Enquanto se vivem estas questões quase infindáveis na União Europeia, agravadas pela evolução do desemprego, da crise dos refugiados e do terrorismo, rapidamente, a crise económica evoluiu para uma crise política, fragmentando cada vez mais a união da europa, colocando-se os estados membros numa posição de cada vez maior dificuldade de encontrar respostas coerentes, onde, as decisões nacionais vão substituindo a política da União Europeia. São exemplo disso mesmo as decisões de determinados estados membros de oposição à introdução de quotas para refugiados e de lutarem pela preservação dos controlos fronteiriços. O terrorismo e a imigração provocam o receio e medo pela segurança pessoal e pelos postos de trabalho. Os eleitores cada vez levantam mais as suas vozes, dando força a extremismos políticos.

Todos os últimos ataques terroristas possuem uma coisa em comum. Foram dirigidos contra aquilo que em termos de segurança vulgarmente se chama de “soft targets”, isto é, “alvos fáceis”, alvos que não possuem muita segurança e que, comparativamente, são muito mais fáceis de atacar do que aqueles que possuem uma forte presença securitária.

Vivemos nos tempos de hoje uma mudança de paradigma. Os ataques terroristas passaram a centrar a sua atenção nos “soft targets”, incluindo-se nesta dimensão, os hotéis, os restaurantes, as estações de transportes públicos, os locais de culto religioso, os espaços comerciais, os estádios e pavilhões de ocorrência de eventos desportivos.

Enquanto existirem pessoas disponíveis para conduzirem estes ataques, independentemente das suas motivações, estas estarão sempre capazes de encontrar “soft targets” para atacar. É impossível proteger na totalidade todos os potenciais alvos e, dada essa impossibilidade de qualquer que seja a entidade governativa de prevenir todos os ataques, a população deve assumir alguma responsabilidade na sua própria segurança, o que quer dizer que, as ameaças contra os “soft targets” exigem a prática de medidas de segurança de senso comum, envolvendo também a prática de níveis apropriados de prevenção situacional no ambiente onde a pessoa se encontra e também o estabelecer planos de contingência apropriados quer para as famílias como para as empresas.

No desenrolar do EURO 2016, apesar de todos os esforços do estado francês, seráimpossível proteger na totalidade todos quanto se encontrem naquele país contra ataques terroristas. Limitar a acessibilidade aos “alvos fáceis” é também de responsabilidade dos cidadãos. Tal só se consegue com conhecimento e educação direcionada para estes fatores. Esta é uma das maiores falhas da política de segurança na União Europeia.

 

Crónica adaptada. Conheça aqui o artigo original.

 

Autoria: Orlando Mascarenhas

Fonte: Revista Visão

 

 

PARTILHE ESTE ARTIGO: