A Carregar...
Por favor aguarde...

O que os nossos formandos pensam do Ensino à Distância?

2 MAR 2018

O Instituto CRIAP comemora o aniversário do Ensino à Distância e, de forma a assinalar esse marco, está a oferecer 20% de desconto em formações na modalidade de Ensino à Distância e em formações Presenciais e Live Streamingque se encontram assinaladas no site institucional.

 

Apesar do ensino à distância ser, cada vez mais, uma forma comum de fazer formação, a nível internacional, em Portugal, só nos últimos anos é que se tem vindo a apostar mais nesta metodologia de ensino inovadora.

Ainda é muito frequente recebermos dúvidas acerca deste tema e é percetível alguma resistência à tecnologia, tanto por parte dos formadores, como dos formandos.

Por tudo isso, estivemos à conversa com alguns formandos do Instituto CRIAP.

 

 

 

 

Mónica Leitão

Técnica Superior de Ação Social de uma Junta de Freguesia

Pós-graduação em Intervenção no Serviço Social em Diversos Contextos

 

Imagem Blog: 5aa2a28d5ecbb-895x458.png

 

Qual a sua ideia em relação ao ensino à distância antes de iniciar a sua formação no Instituto CRIAP?

“Sempre achei que a formação à distância era uma forma confortável e facilitadora de fazer formação.

Antes de iniciar a Pós-graduação em Intervenção no Serviço Social em Diversos Contextos, na modalidade de Live Streaming, estava um pouco reticente, pelo que consultei alguns colegas para saber a sua opinião acerca desta modalidade de ensino. Algumas pessoas mostraram-se também reticentes, não só a nível da qualidade da formação, como também em relação à interação e à falta de contacto humano. A ideia que se tem é que podemos esforçar-nos menos do que em contexto presencial. Mas não é verdade.

Acabei por arriscar, e inscrevi-me na formação porque o modo presencial só ia abrir no Porto, mas acima de tudo porque era um pós-graduação que eu queria muito fazer.”

 

Depois de iniciar a formação com o Instituto CRIAP, quais são para si as vantagens que esta modalidade de formação oferece?

“Para mim, a principal vantagem foi encurtar distâncias. Poder realizar a formação em Lisboa quando apenas havia a possibilidade de fazer presencialmente no Porto.

Outra vantagem, uma vez que a pós-graduação é em horário laboral, é ser uma solução para quem não tem forma de se deslocar ou para quem tem crianças pequenas. Facilita muito! E, no fundo, melhora até o nosso próprio conforto. Nós podemos vir do trabalho para as aulas e estar a jantar enquanto assistimos à aula. Faz com que rentabilizemos muito mais o nosso tempo.”

 

O que achou da experiência do EAD no Instituto CRIAP?

“Foi uma boa surpresa! Em um ou dois dias comecei a entrar no ritmo e caíram por terra todos aqueles preconceitos que tinha inicialmente. Os formadores ajudaram muito. Gostei muito da pós-graduação. Senti-me, desde o início, completamente à vontade para colocar as minhas questões.”

 

Como foi a interatividade entre os formandos e o formador?

“Existe, efetivamente, interatividade entre o formador e o formando. Conseguiu-se criar um ambiente muito engraçado, tanto através do chat como das intervenções orais. Os formadores foram muito recetivos às nossas questões, cederam-nos os seus contactos e mostraram sempre uma grande disponibilidade para esclarecermos as nossas dúvidas, através de e-mail, telefone, etc. Tivemos a oportunidade de partilhar as nossas experiências profissionais. Foi uma experiência muito positiva.”

 

Comparativamente a outras formações que já tenha realizado (presenciais ou à distância), o que achou do nível de exigência da formação do Instituto CRIAP que frequentou em EAD?

“Tenho partilhado a minha experiência porque as pessoas têm curiosidade em saber como funciona, na prática, uma pós-graduação à distância. E eu conto-lhes como fazemos, como tudo se processa e como são os testes de avaliação. As pessoas ficam surpreendidas por termos faltas, acham que só íamos se quiséssemos. Conto-lhes também que é possível fazer trabalhos de grupo. E como? O grupo fica numa sala, à parte, e fazem o trabalho de grupo à distância. As pessoas acham muito curioso e ficam positivamente surpreendidas. Este método é bom para quem anda a pensar fazer uma formação e não tem tempo.”

 

Sente que a formação preencheu as lacunas de conhecimentos que identificou no início da formação?

“Sim, claro! A turma tinha várias pessoas da mesma área e acabamos por fazer partilhas de experiências, mais pessoais, em relação à nossa profissão, nomeadamente as atividades, tarefas e o know-how.

 

O que achou da qualidade do som e da imagem das sessões à distância?

“Em regra geral, ouvia-se e via-se bem. Teve os inconvenientes de qualquer transmissão pela internet, mas não foi significativo. Quando ouvia mal o formador, entrava em contacto, via chat, e obtinha logo uma resposta da técnica de formação. Isto é importante ser dito: nós não estamos só com o formador, há sempre um técnico a acompanhar-nos. Qualquer problema que ocorra é prontamente resolvido. A equipa técnica foi muito boa, muito empenhada e muito disponível”.

 

Recomendaria o ensino à distância do Instituto CRIAP?

“Antes de iniciar esta pós-graduação recomendei a uma colega de trabalho as pós-graduações do CRIAP. Entretanto, já recomendei a mais pessoas porque gostei mesmo da experiência! Recomendo a modalidade e recomendaria a pós-graduação.

Aconteceu-me recentemente uma coisa curiosa: fui contactada, no meu local de trabalho, a propósito de uns projetos que desenvolvia, por uma aluna do Instituto CRIAP que estava a fazer a mesma pós-graduação que eu tinha feito, mas em modo presencial, no entanto ela contactou-me sem saber disso à priori. Ao longo da conversa apercebemo-nos disso e acabei por validar aquilo que eu já achava: existem diferenças entre as duas modalidades de ensino, mas no fundo o desempenho e aprendizagem são os mesmos.”

 

 

 

 

Zuleica da Cruz

Docente em Direito Internacional Privado em Cabo Verde

Pós-graduação em Ciências Forenses, Investigação Criminal e Comportamento Desviante

 

Imagem Blog: 5aa2a5c103a29-709x531.png

 

Que ideia tinha em relação ao ensino à distância antes de iniciar a sua formação no Instituto CRIAP? Sentia alguma resistência em relação a esta modalidade?

“Na verdade, ainda não tinha frequentado nenhum curso à distância por falta de oportunidade. Nunca senti qualquer resistência, até porque conheço excelentes profissionais que frequentam ou já frequentaram formações nesta modalidade. Aliás, tive conhecimento do Instituto CRIAP através de uma professora da FDUL que na altura frequentava um curso nesta modalidade.

Em síntese, a minha maior preocupação ao escolher uma instituição de ensino prende-se com o sua qualidade, credibilidade e rigor, tanto ao nível dos formadores como da instituição em si.”

 

Depois de iniciar a formação com o Instituto CRIAP, quais são para si as vantagens que esta modalidade de formação oferece?

“De uma forma geral, dou um feedback bastante positivo e ainda acrescento o facto de estar em Cabo Verde e, ao mesmo tempo, frequentar uma Pós-graduação em Portugal. Antes só seria possível frequentar uma formação em Portugal se nos deslocássemos, mas isso seria muito custoso, além de exigir muitas burocracias, como é o caso do pedido de um visto. Outra vantagem, no meu caso, foi permitir-me fazer outras coisas ao mesmo tempo. Se fosse na modalidade presencial não teria conseguido dar resposta a todas as funções que tenho neste momento. Consegui gerir melhor o meu tempo através desta modalidade."

 

O que achou da experiência do EAD no Instituto CRIAP?

“Considero que esta formação valeu muito a pena porque muito do conhecimento adquirido era completamente novidade para mim. No decurso da formação havia sempre alguém para nos ajudar em relação a problemas técnicos. Tive algumas dificuldades ao tentar aceder à minha conta ou às aulas gravadas e, ao entrar em contacto com o Instituto CRIAP, tive sempre uma resposta imediata. A experiência foi sempre fantástica. Aprendi muito.”

 

Como foi a interatividade entre os formandos e o formador?

“Acho que os formadores conseguiram adotar uma estratégia que lhes permitiu cativar a atenção dos formandos, danda a impressão de redução da distância física real. Gostei muito dos formadores. O formador Paulo Pinto foi excelente. Foram todos muito simpáticos, dinâmicos e motivadores. Características muito importantes para cativar a atenção dos formandos. O meu feedback é bastante positivo e penso que o dos meus colegas também.

Não estava à espera que este sistema fosse tão eficaz, tinha outra impressão. Nós conseguimos trocar mensagens durante as aulas, ver as respostas dos colegas, sabendo o que eles pensavam no momento e qual o seu feedback.”

 

O que achou do nível de qualidade e experiência dos formadores da formação em EAD, em comparação com outras formações que já realizou?

“Foi visível de que se trata de profissionais qualificados e com bastante experiência. Tive curiosidade e verifiquei no site do Instituto CRIAP os currículos de alguns formadores e são realmente bastante proeminentes.”

 

O que achou da qualidade do som e da imagem das sessões à distância?

“Foram perfeitos! Conseguiu até superar as minhas expectativas. Excelente!”

 

Recomendaria o ensino à distância do Instituto CRIAP?

“Com certeza! Já recomendei a algumas pessoas, aos meus alunos e a alguns colegas, aqui, de Cabo Verde, que têm vontade de fazer um curso e às vezes, por questões financeiras, não têm oportunidade. Esta modalidade é uma mais valia para ser mais barata e muito mais rápida.”

 

 

 

 

Mariana Santos

Técnica de Serviço de Apoio Domiciliário num Centro de Dia

Pós-graduação em Intervenção do Serviço Social na Saúde

 

Imagem Blog: 5aa2a71e25a09-714x511.png

 

Qual era a sua ideia em relação ao ensino à distância antes de iniciar a sua formação no Instituto CRIAP?

“Ao fim de três meses da minha licenciatura, comecei a trabalhar num centro de dia, no serviço de apoio domiciliário, senti necessidade de melhorar o meu currículo académico e por isso realizei uma pós-graduação em Gerontologia Social. Não foi no CRIAP. Daí ter um termo de comparação. Após a conclusão dessa pós-graduação, sempre tive um gosto muito grande pela área da saúde, e, por isso, decidi aliar o serviço social à saúde: então nada melhor do que a Pós-graduação em Intervenção do Serviço Social na Saúde. Agora estamos na fase do projeto, prestes a terminar.

Antes de iniciar esta formação no CRIAP, já tinha tido experiências com o EAD, no entanto os níveis de acompanhamento e exigência eram completamente diferentes.  A experiência que estou a ter no Instituto CRIAP está a ser muito melhor.”

 

Que ideia tinha em relação ao ensino à distância antes de iniciar a sua formação no Instituto CRIAP? Sentia alguma resistência em relação a esta modalidade?

“Eu não era nada a favor do ensino à distância. Tinha acabado de sair da faculdade e achava que para aprender tinha de ser presencialmente.

Frequentei, entretanto, outra pós-graduação onde o contacto com a professora era escasso e se limitavam a enviar-me os documentos para eu estudar e eu, por outro lado, enviava os trabalhos. Inicialmente estava um pouco reticente porque não conseguia perceber se o nível de exigência e o nível de acompanhamento seriam os mesmos que no ensino presencial. Com o Instituto CRIAP isso foi desmistificado.

Agora, sem dúvida, acho que o EAD foi a melhor coisa que inventaram, porque para quem trabalha e quer ter tempo para a família torna-se difícil, muitas vezes, deslocar-se às sextas feiras, à noite, e sábados, todo o dia (dias onde ocorrem, normalmente, as pós-graduações presenciais). De facto, no CRIAP, com os horários propostos nesta modalidade isso não aconteceu e foi muito positivo.”

 

Depois de iniciar a formação com o Instituto CRIAP, quais são para si as vantagens que esta modalidade de formação oferece?

“O tempo aqui é fundamental. Nós conseguimos organizar o nosso tempo de uma forma completamente diferente. A vantagem é que eu consigo organizar o meu estudo. Muitas vezes saía do trabalho às 17h, chegava a casa e fazia as atividades até perto das 20h e às 20h tinha aula. Conseguia estruturar o meu tempo para aquele dia, e ao fim de semana, se fosse preciso, ia estudando e fazendo outras coisas, mas ao meu ritmo. Sem dúvida que a forma como está estruturada a pós-graduação permite toda esta gestão de estudo e de tempo.

No ensino à distância consegue-se aliar o conforto do lar a um ensino exigente e de qualidade.”

 

O que achou da experiência do EAD no Instituto CRIAP?

“Foi uma experiência muito boa. Primeiro porque vim desmistificar todas as ideias que tinha em relação ao EAD, depois, ao nível pessoal e profissional, fiquei extremamente enriquecida, não só pelos conteúdos abordados na formação, mas também pelos formadores que integravam a pós-graduação. A relação com os formadores e os formandos foi muito boa, isto porque durante as aulas conseguimos ter tempo para partilhar experiências profissionais e pessoais. Era algo muito interessante, uma vez que a maior parte das pessoas eram formadas em diferentes áreas que se complementavam. Já os professores têm uma experiencia e visão completamente diferentes das nossas. Portanto penso que vale a pena apostar neste tipo de formação.”

 

O que achou da interatividade entre formandos e o formador?

“Em relação à minha experiência anterior, a interatividade não teve nada a ver. A relação que se foi criando, neste caso com a formadora Teresa Alves, foi a pessoa que esteve mais presente durante toda a pós-graduação, foi excelente! Conseguimos criar uma relação empática e essa relação, muitas vezes, não se cria no ensino presencial. Tínhamos os e-mails pessoais dos professores, os contactos de telemóvel e sempre que eu tinha alguma dúvida enviava um e-mail e respondiam-me na hora. Mesmo ao nível de questões técnicas, com o som, imagem ou conetividade havia sempre disponibilidade, por parte de um técnico, para clarificar as minhas dúvidas.

Temos de agradecer às novas tecnologias que permitem que os formandos estejam a norte, sul, este ou oeste do país e consigam estar próximos e trocar experiências tão boas e enriquecedoras como aconteceu nesta pós-graduação.”

 

Comparativamente a outras formações (presenciais ou em EAD) que já tenha realizado, o que achou no nível de exigência da formação do Instituto CRIAP?

“A exigência é elevada. Eu venho da Universidade Católica, e o ensino na Faculdade de Ciências Humanas é muito rigoroso e exigente. O curso de Assistente Social e Serviço Social é muito à base de trabalhos e de reflexão da própria prática profissional. A exigência é, portanto, para mim, algo que sempre fez parte, tanto a nível profissional, como pessoal.

Quando digo que o Instituto CRIAP é efetivamente exigente, isso para mim é algo muito bom. É exigente no que diz respeito quer à prestação em sala de aula, quer em relação às atividades, quer em relação aos testes. Podemos pensar que por ser online não temos que responder e enviar trabalhos dentro de prazos previamente estipulados, mas isso não é verdade. Existe sempre a responsabilidade e a obrigatoriedade de fazer as coisas.”

 

O que achou do nível de qualidade e experiência dos formadores do curso que frequentou em EAD, em comparação com outras formações que realizou?

“Na maior parte dos casos correu tudo bem. Houve algumas exceções, onde existirem quebras na internet, mas isso não está relacionado com o CRIAP, tem a ver com as tecnologias que têm coisas fantásticas e outras menos boas. De resto tudo impecável!”

 

Qual foi o impacto do EAD na sua vida pessoal e profissional?

A modalidade do EAD revelou ser facilitadora na flexibilização dos meus horários familiares, uma vez que mesmo estando fora de casa conseguia ter acesso às aulas e aos documentos, fazer e enviar as atividades e realizar os testes.”

 

Recomendaria o EAD do Instituto CRIAP?

“Sim, sem dúvida que recomendaria! Aliás, já recomendei a amigos que trabalham na área do Serviço Social e outras áreas que a formação do CRIAP abrange. Considero as formações do CRIAP muito acessíveis, bem como a equipa e os formadores. Os valores das pós-graduações são justos e as modalidades de pagamento são extremamente flexíveis.

Além de serem exigentes também se preocupam connosco. O Instituto CRIAP, para mim, está nas referências do Ensino à Distância, sem sombra de dúvidas! E se pretender, mais tarde, continuar a estudar e focar-me noutras áreas, vou em primeiro lugar ao Instituto CRIAP. É uma instituição de referência.

Tenho somente a agradecer, quer à equipa CRIAP, quer aos formadores, que foram sempre impecáveis comigo.”

 

 

 

Este foi o segundo artigo, de três, escritos no âmbito da Campanha de Aniversário do EAD do Instituto CRIAP.

Acompanhe no nosso blog e Redes Sociais (Facebook e LinkedIn) e fique a conhecer o próximo artigo que irá abordar a opinião dos formadores do Instituto CRIAP.

 

 

Instituto CRIAP,

Ana Lopes

 

PARTILHE ESTE ARTIGO: